Era uma vez um final feliz

Queria ser uma princesa bonita, como nos filmes, mas na sua torre fazia muito frio.
Lá de cima ninguém a tocava e ela também não tocava ninguém.
Queria ser uma princesa bonita e perfeita, por isso deixava-se estar na sua torre à espera do prometido príncipe.
Os seus olhos passeavam pelos picos das árvores e pelas cores das flores, mas as suas mãos continuavam vazias.
O vento subia as escadas aos berros, invocando espíritos que ela desconhecia. À noite as portas batiam numa sinfonia dançante e ela ouvia vozes desafinadas em louvor.
Tinha muito medo.
Queria ser uma princesa bonita e perfeita e delicada e na sua torre ficava, de pé à janela. Durante o dia falava com os pássaros, à noite com os seus fantasmas, mas nunca com o prometido príncipe. Sempre à espera dele.
Da torre dava para ver toda a cidade, os vales verdes e todos os rios que regavam as flores e florestas.
Dentro da torre era calmo.
O silêncio tomava conta de todos os cantos do espaço, não fosse pelas canções dos fantasmas que a atormentavam.
As paredes eram brancas, ou sem cor. Sei lá. Que diferença fazia?
A torre era uma extensão de si mesma. Um local meio abandonado à espera do calor de um amor e das borboletas da barriga para enfeitar as janelas.
A torre: bonita, perfeita e delicada, mas sem luz própria, dependente do humor do Sol para clarear as suas manhãs.
Um dia decidiu sair da Torre para apreciar de perto o lindo jardim que se tinha formado em baixo da sua janela.
Buganvílias amarelas trepavam as altas paredes da torre e alguns tentáculos se aventuravam numa tentativa de caminhar sozinhos. Ao seu lado, um pequeno arbusto se erguia, meio desengonçado, mas sem desistir.
Os pássaros cantavam alegres, e as abelhas zumbiam livremente, distribuindo beijos pelas flores. Parecia que tudo e todos lhe davam as boas-vindas.
Primeiro sentou-se à porta e respirou o ar de baixo. Ali, tão perto da relva, dava para ver, entre as folhas verdes esticadas para cima, a cor escura da terra. Era quase preta e estava húmida, protegida pelas flores e raízes que nela se apoiavam.
Como é que a mesma terra que sustentava a monstruosa Torre, também servia de casa para aquelas delicadas plantas?
Lá de cima não dava para ver esses detalhes.
Ficou ali sentada, com a cabeça apoiada à entrada a observar apenas. A sombra da Torre ia fugindo de si, e os seus pés já doíam, pedindo movimento. O seu sangue ali parado queria sentir a terra de perto.
Então levantou-se.
Começou a andar e sentiu cócegas nos pés, da relva que lhe ia recebendo os passos alegremente. Só parou quando viu um tapete de jacarandás e ali se deitou.
Quando olhou para cima viu os ramos e neles pequenas folhas, que por sua vez formavam outra folha maior.
Ao seu lado, viu uma flor lilás grande e perfumada a olhar para si e ela também olhou para si própria, princesa e pensou na Torre e nos seus fantasmas. Lembrou-se do escuro e do silêncio da sua espera prolongada.
Decidiu não se levantar hoje. Estava feliz.
Ia ficar por ali durante a noite, talvez até para sempre.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s