Irmã, cabeçada não existe

Consideramos uma “Cabeçada”, uma situação em que um casal se separa e a culpa recai sobre uma terceira pessoa. 

No nosso dia-a-dia é comum ouvirmos, comentarmos e julgarmos as histórias de triângulos amorosos alheios.

No geral, essas histórias sempre começam com um casal que vivia feliz e que repentinamente se separa devido a alguém que se “mete no meio”. Alguém que destrói tudo e que começa posteriormente uma relação com alguém que fazia parte desse casal.

Geralmente esse alguém é uma mulher. A mulher é maléfica. É invejosa. É egoísta. Diabólica. As mulheres não são amigas. Essa mulher não pensou nos filhos dele. Destruidora de lares.

Enfim, os comentários são vários mas a situação é quase sempre a mesma: fulana deu cabeçada e agora está a namorar com fulano.

Mr-Bow-e-Liloca-juntos-4
No ano passado a cantora Liloca foi acusada de dar cabeçada a Maria de Lurdes, ex-mulher do cantor Mr. Bow. Fonte: Portal MozNews

O homem é visto como uma eterna criança, cujas decisões são tomadas sem ter em conta as consequências. A ele lhe é permitido agir por impulso e até mesmo instinto. Quantas vezes não ouvimos “Homem é assim mesmo!” ou “Isso é coisa de homem!”. E claro, “Todo o homem é assim“.

Simplificamos demais o homem e para compensar essa infantilização dele exigimos da mulher que ela seja responsável e ponderada.

Em relações monogâmicas heteronormativas os papéis de género estão bem definidos. Segundo esses papéis à mulher cabe cuidar do lar e da família (esposo e filhos) incondicionalmente, numa posição de clara submissão enquanto o homem desempenha o papel de provedor, força dominante.

Mesmo assumindo que os tempos são outros e que existem sim casais na vanguarda a tentar criar novas dinâmicas, é extremamente difícil numa sociedade patriarcal fugir a essas funções. Mesmo em relações homoafetivas muitas vezes vemos esses papéis replicados.

E nesses papéis pré-definidos o homem está sempre em vantagem. Se ele trai, a culpa é da esposa que se deixou acomodar. Se ele lhe bate, a culpa é da esposa que lhe tirou a paciência. Qualquer que seja a sua acção é na verdade uma reacção a algo que uma mulher fez.

infidelidade-paixao-perigosa-1
Trair é uma questão de poder: Fonte: Trendr

A mulher neste sentido vê-se desconsiderada. Todas as suas vontades, ideias e desejos são invalidados pois os do seu esposo prevalecem. Na estrutura familiar tradicional, é a mulher que se adapta ao marido.

 

Por essa razão, quando uma relação chega ao fim é comum culparmos a mulher. Ela é que se não se esforçou. Ela é que tem de pensar nos filhos. Ela é que tem de crescer e saber que casamento é isso mesmo.

E como essa mulher foi socializada para desculpabilizar o homem, ela vai procurar outra mulher para explicar o fim do seu relacionamento. É essa outra mulher a responsável, pois atraiu o homem, provocou e ele claro, seguindo o seu instinto foi incapaz de resistir.

4e6210ebe7765f8a8d5a7c38c3bc2991
Lizha James canta a dor da mulher que leva uma cabeçada na música “Uloyi”. Fonte: Youtube

Aí entramos naquele discurso de cobrança de sororidade entre as mulheres, pois supostamente esta outra mulher deve se colocar no lugar daquela que está numa relação com o determinado homem.

Mas precisamente, a sororidade deixa de existir no momento em que eu me coloco numa situação de disputa com outra mulher. Se esse homem está numa relação comigo, é a ele a quem eu devo fazer cobranças e pedir satisfações.

A sororidade termina quando eu culpo a mulher pelo meu parceiro ser permissivo e não estabelecer limites.

Aí, eu olho para a outra mulher como a culpada por tudo, ela é que seduziu, ela é que provocou e ele fica isento de qualquer responsabilidade.

Precisamos de desconstruir essa ideia de inimizade entre as mulheres. É dessa ideia que surge essa culpabilização de outra mulher pelo fracasso do nosso relacionamento; da falência dos nossos sonhos; etc.

O sentido de sororidade aplica-se precisamente quando eu, como mulher, protejo a moça dessa responsabilidade. Afinal de contas, ela teve permissão do meu parceiro para se aproximar dele e foi ele quem se separou de mim.

Por outro lado, é importante também olhar para os nossos parceiros e parceiras como seres humanos complexos, cheios de sonhos, desejos, medos, traumas, etc.

Em qualquer relação é importante reconhecermos as necessidades e carências dos nossos parceiros e as nossas também. É a partir daí que vem o carinho, o companheirismo e a capacidade de ultrapassar situações de crise dentro do relacionamento.

Então, olhemos mais para dentro de cada um de nós, das conexões que fazemos e façamos um trabalho profundo de reflexão para reconhecer os vazios que deixamos (e enchemos) por onde passamos.

14 thoughts on “Irmã, cabeçada não existe

  1. Cabeçada não existe o k existe para e a falya d respeito , consideração , igoisto isto sim reina bastade no seio familiar. A ganâcia keremos tdo para nós mesmo a pessoa pode ser casada mas se e ganacio e cm falta d respeito cm o seu parceiro haverá sempre traição

  2. Não podia estar mais claro. É preciso acabar com essas ideologias machistas de que o homem pode tudo e a mulher não pode nada… texto excelente!

  3. Top-en! Obrigado por exprimires essa reflexão que é tb a de muitas de nós e fazeres reflectir q quem Ainda não percebeu. Quanto apontamos um dedo a alguém há sempre 3 a apontarem para nós!

  4. Amei o texto… muito pertinente!! Deixar também minha opinião, da qual ao longo do tempo fui observando, e cheguei a conclusão que: *UM SÓ FICA COM OUTRO SE QUISER*…
    Nem tudo implica esforços, mas sim força de vontade de uma das partes… Boa noite, e continue escrevendo sempre!

  5. Correcto, o sentido de Sororidade deve ser uma consciência. Temos de perceber q relacionamento é q sustenta o amor é não o amor q sustenta o relacionamento. Todos os dias temos d por a prova o nosso relaciobamento. O ser humano não desiste do q ama mas não insiste naquilo q não lhe dá plena alegria e paz interior. Se não deu certo, melhor forma de demostrar amor é deixar-o ser feliz com quem quer estar/ estar.

  6. Muitas das vezes nos mulheres culpamos a outra por nós tirar o parceiro, esquecendo que ela também pode ter sido enganada. Homen ao conquistar é capaz até de inventar que está separado. Nestes casos temos mesmo de conversar com nossos parceiros. São eles quem nos devem satisfações

  7. Cônjuges leais dão o seu tempo, energia e talentos para servir o outro. Eles colocam um ao outro primeiro – acima do trabalho, passatempos, esportes, limpeza da casa, amigos, acima das famílias anteriores, acima de bebês. Cônjuges leais não permitem que as crianças tenham prioridade sobre seu cônjuge. Isso certamente não significa que eles não deem a atenção necessária e indivisível para seus filhos. Significa simplesmente que eles se lembram, em todos os tempos, que uma das maiores fontes de conforto e segurança que uma criança pode ter é saber que seus pais são leais e amigos um do outro. Eles cultivam romance, amor e intimidade regularmente. Eles se lembram do aniversário de casamento, bem como do aniversário de cada um. Eles incentivam e apoiam o outro em momentos de estresse e desafios. Cônjuges leais dão o melhor de si mesmos ao seu cônjuge ao invés de deixá-los com o que sobrou. Eles se esforçam para serem melhores um para o outro a cada dia e amar sincera e profundamente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s